Qual é o melhor tipo de transplante capilar?


“FUE e DHI são os dois métodos mais populares usados no transplante capilar.
O método FUE clássico envolve um processo de duas etapas; no primeiro, a área receptora é preparada e depois os folículos são transplantados. Este processo de duas etapas pode causar pequenas diferenças em termos de ângulo e direção dos fios durante o processo de transplante.”
Com o método DHI, a criação do local e a colocação do enxerto são realizadas simultaneamente, ou seja, a extração e o transplante são combinados como parte de um mesmo processo, implantando os folículos capilares extraídos diretamente nas áreas de recebimento. Algumas características positivas desse processo é que há total controle da profundidade, direção e ângulo na colocação de cada enxerto. A colocação de enxertos com o implantador Choi, assim como o processo de transplante, requerem maior experiência do médico.
Vantagens da técnica DHI
Entre algumas vantagens destacadas por alguns especialistas em restauração capilar estão as seguintes:
Tempo reduzido de permanência dos folículos fora do corpo, garantindo assim uma colocação dos enxertos ainda fortes e saudáveis.
Taxas elevadas de sobrevivência do folículo capilar.
Sangramento reduzido durante a criação da área receptora (abertura dos canais). Choque reduzido durante o manuseio do folículo, causando menos danos ao suprimento de sangue para a área implantada.
Recuperação rápida no pós-operatório, o paciente pode retornar à sua rotina normal mais rapidamente.
A área receptora não precisa ser raspado, no entanto é o procedimento mais adequado para realizar um transplante capilar.
Desvantagens da técnica DHI
Por outro lado, algumas das desvantagens em comparação com o método FUE incluem:
O médico e a sua equipe necessitam de um longo período de treinamento para se especializarem na utilização desta técnica.
Geralmente é um procedimento que custa mais caro, se comparado a outros métodos de transplante capilar.
Este método exige mais atenção e precisão dos profissionais durante o procedimento.
Os dois métodos têm suas vantagens e desvantagens, mas é o médico quem deve decidir a qual tratamento o paciente deve se submeter, só ele sabe qual é o melhor. O DHI e o FUE são realizados por médicos equipes específicas, os resultados de cada método não são muito diferentes entre si em termos de naturalidade, o que difere é a parte técnica do processo.